ÚLTIMA SOBREVIVENTE DO ATENTADO DE 11 DE SETEMBRO FALA SOBRE DEUS

Os aviões levaram o World Trade Center ao desmoronamento, enterrando seus colegas de trabalho e ela mesma sob pilhas de escombros. Como Guzman-McMillan ficou enterrada viva por quase 30 horas, os gritos que ouvia na escuridão ao seu redor logo desapareceram. Ela estava sozinha, ela pensou, e só conseguia pensar em uma coisa – clamar a Deus.

“Não, não me arrependo de tudo o que aconteceu”, a mãe de quatro filhos, disse. “Isso me fez uma pessoa melhor. Eu tenho um relacionamento mais profundo e íntimo com Deus”.

Genelle Guzman-McMillan insiste que não é o medo que a impede de voltar ao marco zero em Manhattan. A funcionária da Polícia Portuária, agora também uma autora, diz que é um calvário relembrar como dois aviões sequestrados há 10 anos atingiram as torres gêmeas.
Como Guzman-McMillan diz 10 anos depois, 11 de setembro de 2001, foi apenas mais um dia normal. As coisas estavam indo muito bem entre ela e seu namorado, ela estava feliz com seu trabalho no piso 64 da torre norte do WTC, e, apesar de sua educação religiosa, ela estava muito bem sem Deus, tendo-O rejeitado há muito tempo.
Guzman-McMillan narra sua história de sobrevivência e salvação em “Angel in the Rubble: The Miraculous Rescue of 9/11′s Last Survivor” Anjo no Escombro: o resgate miraculoso da última sobrevivente de 11/09, Lançado no mês passado pela Simon & Schuster.
No espaço de 240 páginas, a nativa de Trinidad Tobago compartilha como ela e seu colegas começaram a fugir do escritório no edifício de 110 andares e como ela fez uma pausa no 13 º andar para remover seu salto alto. Foi então que, Guzman-McMillan diz que seu mundo inteiro, literalmente, desabou e sua vida mudou para sempre.
Apesar de ficar presa por 27 horas sob os escombros, acreditando que certamente iria morrer, Guzman-McMillan disse ao The Christian Post que não se arrepende de suas decisões naquele dia.
Guzman-McMillan, que mora em Long Island com o marido há nove anos e seus quatro filhos, nem sempre teve esse relacionamento com Deus. Apesar de ter crescido em um lar cristão, a mulher de 40 anos diz que nunca levou o que tinha sido ensinado muito a sério.
Solicitada a descrever sua vida antes dos terríveis acontecimentos de 9 / 11, Guzman-McMillan disse que ela viveu uma vida selvagem cheia de festas, bebidas, e fazia o que queria.
Apesar de ela não ter qualquer tipo de relacionamento significativo com Deus, ela sabia o suficiente sobre Ele para perceber que Ele era sua única esperança de sair dos escombros com vida.
Presa sob concreto e aço com a mão direita presa sob seu corpo e as pernas esmagadas debaixo de uma viga de aço, Guzman-McMillan estendeu a mão esquerda por um pequeno espaço aberto acima dela e encontrou forças para orar… e orar e orar. Incerta de seu destino eterno, Guzman-McMillan implorou por horas para Deus perdoar os seus pecados e lhe dar outra chance.
“Eu disse a Ele: ‘por favor, Deus, se você me salvar hoje… dar-me uma segunda chance, eu prometo que vou fazer a tua vontade”, disse McMillan-Guzman ao Christian Broadcasting Network (CBN), acrescentando que ela falava sério das promessas que fez naquele dia.
A mão ainda estendida acima dela no espaço aberto, Guzman-McMillan pediu a Deus para enviar um sinal de que Ele ouviu sua súplica.”Alguém me agarrou pela minha mão e me chamou pelo meu nome, dizendo: ‘Genelle, eu tenho você. Meu nome é Paul “, disse ela à CBN.
“Eu estava pedindo a Deus por um milagre, um sinal [e Paul] segurou minha mão bem apertado… tranquilizador”, disse McMillan-Guzman CP, acrescentando que ela tinha certeza que não estava delirando.
Dentro de minutos da aparição de Paul, Guzman-McMillan pôde ouvir as equipes de resgate gritando por sobreviventes. Ela se lembra de conhecer os homens que, finalmente, a puxaram dos escombros. Mas o Paul, “eu nunca cheguei a conhecê-lo”, disse ela ao CP.
Guzman-McMillan está convencida de que este misterioso Paul era um anjo enviado por Deus para incentivá-la ao longo de sua provação, que era o sinal para o qual ela tinha orado.
Conforme foi retirada dos escombros e levada para um hospital, ela diz que já sentia uma mudança. “Eu sabia que era uma pessoa mudada. Eu estava apenas… louvando e glorificando a Deus “, disse ela.
Não muito tempo depois de ser liberada do hospital, onde permaneceu por mais de seis semanas e foi submetida a quatro cirurgias de grande porte, Guzman-McMillan disse que a única coisa na sua mente era ser batizada, uma coisa que ela tinha prometido a Deus que faria.
Outra promessa em sua lista era casar com seu namorado, o que ela fez em 07 de novembro, no mesmo dia em que foi batizada.
Guzman-McMillan, que tem feito parte da igreja Brooklyn Tabernacle por 10 anos, disse ao CP que ela sabe que Deus a trouxe por uma razão, através de um “coração quebrantado” e provações “horríveis”.
“Acho que estou aqui por uma razão maior e um propósito maior. Minha vida hoje é uma bênção. Eu [quero] que as pessoas saibam sobre a minha experiência, o que eu já passei e como eu superei essa adversidade na minha vida “, disse a CP. “Quero que as pessoas saibam que Deus é real… que a oração funciona”.

TAG: ÚLTIMA SOBREVIVENTE DO ATENTADO DE 11 DE SETEMBRO FALA SOBRE DEUS

Compartilhe esta publicação

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on print
prjulio

prjulio

Pastor da Igreja de Deus no Bairro Santa Terezinha - Catalão/Go. Pastoreando a 16 anos, pai de 5 filhos, Servo do Deus altíssimo, utilizando a internet como meio de propagação da palavra de Deus a quem desejar. Com humildade e amor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

whatsapp

Últimas Postagens