PASTOR CAIO FÁBIO CONDENADO A 4 ANOS DE PRISÃO

A Justiça Eleitoral condenou o pastor evangélico Caio Fábio D’Araújo Filho a quatro anos de prisão por seu envolvimento no chamado “dossiê Cayman”. O conjunto de papéis comprovadamente falso surgiu como tentativa de incriminar a cúpula do PSDB na campanha de 1998. Único condenado pelo episódio até agora, D’Araújo foi considerado responsável por elaborar e divulgar o dossiê, incorrendo em crime de calúnia, agravado por ter envolvido o então presidente da República, Fernando Henrique Cardoso. Ele pode recorrer. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.
A sentença é baseada em uma investigação da qual participou também o FBI, a polícia federal norte-americana. Ela diz que o pastor preparou os papéis com um grupo de empresários em Miami, com o objetivo de vender a informação a adversários dos tucanos. Ele nega.
O documento apontava a existência de uma empresa e de contas que seriam controladas por FHC, à época candidato à reeleição, pelo então governador de SP, Mario Covas, que também buscava novo mandato, e pelos tucanos José Serra e Sérgio Motta. O conjunto de papéis mostrava depósitos de US$ 368 milhões nas contas. O dinheiro teria sido resultado de propina após a privatização do setor de telecomunicações.
Os depoimentos que integram o inquérito detalham como cópias do dossiê circularam entre adversários do PSDB como José Dirceu, Paulo Maluf, Ciro Gomes, Marta Suplicy, Leonel Brizola e Benedita da Silva, além do advogado e ex-ministro da Justiça Marcio Thomaz Bastos.
O inquérito inclui um depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, adversário de FHC na eleição. Lula confirma ter tido ao menos dois encontros para tratar do assunto, um deles com o pastor e outro com o ex-ministro Luiz Gushiken. Ao tomar conhecimento do caso, Lula pediu a Thomaz Bastos, então advogado da campanha, que checasse os documentos, segundo a investigação. Como seriam falsos, o PT não teve interesse na história. O pastor nega participação na elaboração e na divulgação do dossiê. “Tenho a consciência absolutamente tranquila. Não estou nem um pouco preocupado com isso.” Seu advogado, Edi Varela, disse que entrou com recurso e nega crime eleitoral.

OUTRO LADO
O pastor nega participação na elaboração e na divulgação do dossiê.

“Tenho a consciência absolutamente tranquila. Não estou nem um pouco preocupado com isso.”

 Ele afirmou que os papéis apenas passaram por suas mãos. 

“Nunca vou mudar minha versão. Não tenho nada mais a falar do caso.”

Seu advogado, Edi Varela, disse que entrou com recurso e nega crime eleitoral.

“Esse assunto só surgiu depois das eleições, não entrou na campanha, ninguém usou.”

Informações: Folha  e Amigodecristo.

 TAG: PASTOR CAIO FÁBIO CONDENADO A 4 ANOS DE PRISÃO

Compartilhe esta publicação

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on print
prjulio

prjulio

Pastor da Igreja de Deus no Bairro Santa Terezinha - Catalão/Go. Pastoreando a 16 anos, pai de 5 filhos, Servo do Deus altíssimo, utilizando a internet como meio de propagação da palavra de Deus a quem desejar. Com humildade e amor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

whatsapp

Últimas Postagens